Postado em: 21/08/2015 às 01:44 - Por: Neli Carpinter

Ontem estreou nos cinemas o filme Linda de Morrer e eu fui lá conferir e conto aqui para você o que achei.

Imagem reprodução Google

Imagem reprodução Google

Linda de Morrer

Ficha Técnica
Gênero: Comédia
Direção: Cris D’Amato
Com: Glória Pires, Antonia Morais, Emílio Dantas e outros
* Não recomendado para menores de 12 anos
Fonte: Adoro Cinema

Este texto pode conter spoiler, o que pode revelar partes do filme. Se não quiser ler, sugiro que visite outros posts no Vida que Segue.


Quando assisti ao trailer do filme já me imaginei dando mil gargalhadas durante a sessão, mas não foram tantas assim.

Linda de Morrer conta a história de uma médica (drª Paula/Glória Pires) que descobre um remédio para acabar com a celulite. Concentrada somente na sua descoberta e no lançamento, acaba não dando atenção para a filha (Alice/Antônia Moraes) e nem prestando atenção nos colegas de trabalho.

Quando Paula vai aparecer na festa de lançamento do remédio, ela percebe que está com os olhos vermelhos e os lábios inchados e tenta chamar a atenção de seu sócio (Francis/Angelo Paes Leme), mas cai na escada e morre. Ali mesmo ela vê o seu corpo no chão e percebe que morreu, mas não acontece nada de extraordinário. Ela simplesmente continua na terra tentando avisar à filha para dizer ao sócio para parar a distribuição do remédio.

Ao mesmo tempo, morre também uma mãe de santo que tem um neto (Daniel/Emílio Dantas) psicólogo e descrente na religião da avó.

Durante o enterro as duas se encontram e Daniel consegue vê-las. A avó passa o “dom” dela para o neto e diz à médica que só ele poderá ajudá-la.

Paula passa a andar atrás de Daniel para através dele se comunicar com a filha (me lembrou muito o filme Ghost). No início ela não acredita, depois abraça o rapaz sentindo o abraço da mãe.

E o filme segue até que se esclareça ao público que o remédio não poderá ser comercializado. (Não vou contar mais senão vocês me matam)

O filme tinha tudo para ser ótimo, podia ser um bom manual de auto ajuda, mas pecou por tratar os temas muito superficialmente. O relacionamento entre mãe e filha, a questão das mortes ocorridas por causa dos efeitos colaterais do remédio e até mesmo o espiritismo poderiam ser mais explorados. Porém, mesmo que superficialmente, o filme passa algumas ótimas mensagens.

Não entendi o porquê de um filme tão curto, apenas 1 hora e 15 minutos, o que foi uma pena (queria muita perseguição da Paula ao Francis, rss).

Apesar de tudo, ri bastante, tem cenas hilárias.

Glória Pires como sempre ótima atriz. Susana Vieira, apesar da pequena participação também dá o seu show.

badge_post_01

Posts Relacionados:
♥ ♥ ♥ Comentários ♥ ♥ ♥

(*) Campos Requeridos